Postal do Algarve

Postal do Algarve
Postal do Algarve

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Queda do Vigário



A Queda do Vigário localiza-se no concelho de Loulé, a cerca de 300 metros da aldeia de Alte, na ribeira de Alte. Esta queda de água tem 24 metros de altura.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Praia do Tonel



A Praia do Tonel situa-se no concelho de Vila do Bispo, numa ampla e abrigada enseada limitada pelo Cabo de São Vicente e pela Ponta de Sagres.
O areal tem cerca de 500 m de extensão.
O Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina abrange a área desta praia. Esta zona encontra-se colonizada por diversa vegetação.
O mar e a água da chuva têm esculpido, ao longo do tempo, as suas arribas calcárias e avermelhadas em formas muito estratificadas. Ao longo do areal persistem diversas rochas.
Esta praia é dotada de condições favoráveis para a prática de diversos desportos, tais como o surf e o bodyboard.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Estação da Biodiversidade da Praia da Amoreira


Vídeo Estação da Biodiversidade da Praia da Amoreira: https://www.youtube.com/watch?v=uxQRdq7h5ZU

A Estação da Biodiversidade da Praia da Amoreira situa-se no concelho de Aljezur, no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, junto à Praia da Amoreira.
Ao longo do seu percurso pedestre, com cerca de 1,6 km, pode-se observar diversas espécies de insetos e de flora endémicas.


quinta-feira, 27 de julho de 2017

Cidade de Tavira



A Cidade de Tavira situa-se no Sotavento Algarvio e é atravessada pelo rio Gilão.
A presença humana em Tavira data desde o séc. VIII a. C., tendo sido iniciada com o povo fenício. Entre os séculos VIII e XIII, Tavira foi dominada pelos árabes. Durante o domínio islâmico, Tavira constituiu uma das principais povoações do Algarve, devido ao valor estratégico do seu castelo e do seu porto. Em 1242, os cavaleiros da Ordem de Santiago comandados por D. Paio Peres Correia, conquistaram Tavira aos mouros. Em meados do séc. XIII, após a reconquista cristã do Algarve, Tavira cresceu e tornou-se cada vez mais importante devido à sua localização privilegiada e ao dinamismo do seu porto. Nos séculos XV e XVI, os Descobrimentos intensificaram o desenvolvimento deste local. Tavira transformou-se no principal porto de apoio às guarnições portuguesas e ao comércio marítimo com a Europa. Consequentemente, o rei D. Manuel I concedeu-lhe foral em 1504 e elevou-a a cidade em 1520.

Gentílico: Tavirense
Dia da Cidade: 24 de Junho

A área urbana de Tavira é de origem medieval e quinhentista. No entanto, a maioria dos seus edifícios data dos séculos XVII, XVIII e XIX. Estes edifícios apresentam algumas características predominantes da arquitetura regional, tais como os seus vãos, cantarias, platibandas, chaminés rendilhadas e telhados de tesoura (piramidais).
As portas de reixa são mais dominantes em Tavira do que na restante região do Algarve. Estas portas, de origem árabe, caracterizam-se por finos entrelaçados de madeira e demonstram uma preocupação pela ventilação e defesa da intimidade da habitação.
Nesta cidade predominam os edifícios religiosos.

Pontos de interesse da Cidade de Tavira em destaque neste vídeo:
Antigo Convento de Nossa Senhora da Graça (foi fundado no séc. XVI);
Antigo Convento de Nossa Senhora da Piedade ou das Bernardas (data de 1509 e apresenta um estilo arquitetónico manuelino);
Antigo Convento de São Francisco (data do final do séc. XIII ou início do séc. XIV e mantém vestígios góticos e barrocos);
Antigo Convento do Carmo (data do séc. XVIII e atualmente encontra-se aqui instalado o Centro de Ciência Viva);
Antigo Solar da Família Corte-Real – Futuro Núcleo Museológico Fenício / Turdetano;
Arquivo Municipal;
ASTA - Associação de Artes e Sabores de Tavira;
Biblioteca Municipal Álvaro de Campos;
Castelo de Tavira (data do período Neolítico tendo sido reconstruído no séc. VIII a.C. pelos Fenícios e nos séc. VIII a XIII pelos Muçulmanos);
Centro Interpretativo do Abastecimento de Água a Tavira);
Cine Teatro António Pinheiro;
Edifício André Pilarte (casa quinhentista da autoria de André Pilarte);
Edifício dos Correios;
Edifício Irene Rolo (data da 1ª metade do séc. XVI);
Ermida de Nossa Senhora da Consolação (data de 1648);
Ermida de Nossa Senhora da Piedade (data da 2ª metade do séc. XVIII);
Ermida de Santa Ana (data do início do séc. XIV);
Ermida de São Brás (teve origem na Idade Média);
Ermida de São Lázaro (data do séc. XV);
Ermida de São Roque (templo quinhentista);
Ermida de São Sebastião (a data da sua criação permanece desconhecida);
Estação Ferroviária de Tavira;
Estação Rodoviária;
Igreja da Misericórdia (remonta ao séc. XVI e apresenta um estilo renascentista);
Igreja de Nossa Senhora do Carmo (data do séc. XVIII);
Igreja de Nossa Senhora da Ajuda ou de São Paulo (data do séc. XVII e integra-se na arquitetura chã);
Igreja de Nossa Senhora das Ondas (também denominada Igreja de São Pedro Gonçalves Telmo, data da 1ª metade do séc. XVI);
Igreja de Santa Maria do Castelo (foi construída entre os séculos XIII e XIV e mantém elementos do seu estilo original gótico);
Igreja de Santiago (data do séc. XIII);
Igreja de São José do Hospital (data do séc. XV);
Igreja do Antigo Convento de Santo António dos Capuchos (data do séc. XVII);
Jardim da Alagoa;
Jardim do Coreto;
Jardim do Largo Dr. Jorge Correia;
Mercado da Ribeira;
Mercado Municipal;
Miradouro de Santa Ana;
Museu Municipal de Tavira – Palácio da Galeria (este edifício data provavelmente da Idade Média e o museu foi inaugurado em 2001);
Núcleo Islâmico do Museu Municipal de Tavira (foi inaugurado em 2012);
Paços do Concelho;
Porta de D. Manuel;
Praça da República;
Quartel Militar da Atalaia;
Rotunda de Santo Amaro;
Rotunda do Sal;
Rotunda dos Navegadores;
Rotunda Vela ao Vento; e
Torre de Tavira (trata-se da primeira Câmara Obscura do Algarve e encontra-se instalada no antigo Depósito de Água).
Existem várias pontes que ligam as duas margens do Rio Gilão: Ponte Antiga (conhecida por Ponte Romana, encontra-se referenciada desde o séc. XIII e talvez tenha sido construída pelos romanos); Ponte das Forças Armadas; Ponte de Santa Maria (data de 1906); Ponte de Santiago (foi inaugurada em 2003); e Ponte dos Descobrimentos (foi construída em 1993).

terça-feira, 18 de julho de 2017

Praia da Amoreira




A Praia da Amoreira localiza-se no concelho de Aljezur e encontra-se integrada no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.
Esta praia é marítima e fluvial uma vez que tanto o Oceano Atlântico como a Ribeira de Aljezur banham o seu areal. Na foz desta ribeira a corrente pode ser muito forte.
Na extremidade norte desta praia pode-se observar uma enorme arriba de xisto, cuja forma permite-nos imaginar um gigante deitado sobre o mar. Na extremidade sul existe uma encosta com surpreendentes formações rochosas, que são vestígios duma antiga duna agora fossilizada. No vale situado entre estas duas extremidades encontra-se um extenso campo dunar, que alberga plantas autóctones e endémicas.
Esta praia proporciona boas condições para a prática de desportos aquáticos, como por exemplo o surf.



Vídeo Estação da Biodiversidade da Praia da Amoreira: https://www.youtube.com/watch?v=uxQRdq7h5ZU

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Aves no Algarve 4



Os distintos habitats do Algarve atraem diversas espécies de aves, ao longo de todo o ano.
Neste vídeo encontram-se as seguintes aves:
Alvéola-amarela (Motacilla flava);
Alvéola-cinzenta (Motacilla cinerea);
Andorinha-das-chaminés (Hirundo rustica);
Andorinha-dáurica (Cecropis daurica);
Andorinha-dos-beirais (Delichon urbicum);
Cegonha-branca (Ciconia ciconia);
Chamariz (Serinus serinus);
Cotovia-de-poupa (Galerida cristata);
Felosa-comum (Phylloscopus collybita);
Íbis-preta (Plegadis falcinellus);
Melro-preto (Turdus merula);
Pega-rabuda (Pica pica);
Pintassilgo (Carduelis carduelis);
Toutinegra-carrasqueira (Sylvia cantillans);
Toutinegra-de-cabeça-preta (Sylvia melanocephala);
Verdilhão (Carduelis chloris).

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Praia de Faro




A Praia de Faro, também conhecida por Ilha de Faro, situa-se no concelho de Faro, na Península do Ancão, num areal com vários quilómetros de extensão, que separa a Ria Formosa do Oceano Atlântico. Em 1994, o areal tinha cerca de 10,5 km de comprimento e entre 100 a 300 m de largura, estando sujeito a mutações ao longo dos anos. 
O acesso viário a esta praia é feito por uma estreita ponte, construída em 1957, que atravessa bancos de sapal e de vaza e um braço da Ria Formosa. É a única praia da Ria Formosa que tem acesso viário. Em Julho de 2016, foi concluído um passadiço em madeira, pedonal e ciclável, de acesso à Praia de Faro. Durante o verão é possível aceder à praia através de barco, a partir do Cais da Porta Nova (Portas do Mar), de Faro.
Nesta bela praia existe uma grande diversidade de aves e de vegetação dunar. O cenário dominante de dunas e sapal aumenta de forma gradual desde o centro até às extremidades nascente e poente desta praia.
No início do séc. XX, surgiram as primeiras habitações. Actualmente, as edificações de veraneio no centro contrastam com as pitorescas casas em ambas as extremidades do areal.
Do estreito areal do lado da ria, normalmente ocupado por várias embarcações, avista-se a Serra de Monte Figo, o Aeroporto de Faro e a cidade de Faro.
Um longo passadiço de madeira percorre o cordão dunar até perto da Barrinha, também designada por Barra de S. Luís. Na zona da Barrinha, extremidade nascente da Península do Ancão, a forma das linhas de costa e de ria são constantemente alteradas pela acção do vento e da ondulação. Normalmente, as correntes junto à barra são muito fortes. Do outro lado da barra avista-se a Ilha Deserta e a Ilha da Culatra.
A Ilha de Faro permite uma boa prática de desportos náuticos, como por ex. remo, vela e windsurf.
Esta praia dispõe de estacionamento ordenado, oferta de alojamento e restauração, WC e vigilância durante a época balnear. A Ria e a Barrinha não possuem vigilância. 

Vídeo Passadiço de acesso à Praia de Faro: https://www.youtube.com/watch?v=--NRyp50CZY

terça-feira, 27 de junho de 2017

Cidade de Olhão - Caminho das Lendas


Vídeo Cidade de Olhão - Caminho das Lendas: https://www.youtube.com/watch?v=5P8QpBTmez4

O Caminho das Lendas foi inaugurado em junho de 2014 e concluído em agosto de 2016. Este percurso pedonal liga 5 largos da zona histórica da cidade de Olhão e cada largo encontra-se associado a uma lenda original de Olhão.


terça-feira, 13 de junho de 2017

Aves no Algarve



Os distintos habitats do Algarve atraem diversas espécies de aves, ao longo de todo o ano.

Neste vídeo encontram-se as seguintes aves:
Borrelho-grande-de-coleira (Charadrius hiaticula);
Caimão ou Galinha-sultana (Porphyrio porphyrio);
Colhereiro (Platalea leucorodia);
Corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo);
Frisada (Anas strepera);
Galeirão-comum (Fulica atra);
Mergulhão-pequeno (Tachybaptus ruficollis);
Pato-de-bico-vermelho (Netta rufina);
Pato-real (Anas platyrhynchos);
Rola-do-mar (Arenaria interpres); e
Zarro-comum (Aythya ferina).

terça-feira, 30 de maio de 2017

Praia do Barril



A Praia do Barril situa-se no concelho de Tavira, sensivelmente a meio da Ilha de Tavira.
Uma ponte pedonal, que atravessa um canal da Ria Formosa, permite aceder a um percurso que segue até ao extenso areal. Este caminho, com cerca de 1 km, pode ser percorrido a pé ou de comboio turístico. Ao longo deste trilho, designado “Trilho da Praia do Barril”, é possível contemplar a Ria Formosa, nomeadamente a fauna e a flora típicas das dunas e do sapal.
Até 1966, existiu um arraial de pescadores junto ao areal. Atualmente foi transformado em edifícios de apoio à praia.

domingo, 14 de maio de 2017

Estação da Biodiversidade de Boca do Rio

Vídeo Estação da Biodiversidade de Boca do Rio: https://www.youtube.com/watch?v=yvHdhef4WlU

A Estação da Biodiversidade de Boca do Rio situa-se no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, no concelho de Vila do Bispo, junto à Praia da Boca do Rio. Foi inaugurada em outubro de 2014. Trata-se de um percurso pedestre circular com cerca de 2 km, que passa pelo topo de uma arriba calcária e permite observar diversas vistas panorâmicas, fauna e flora.
O Forte de São Luís de Almádena data de 1632, do reinado de Filipe III. Foi mandado construir por D. Luís de Sousa, Conde do Prado, Governador e Capitão-General do Reino do Algarve. Atualmente encontra-se em ruínas.