Postal do Algarve

Postal do Algarve
Postal do Algarve

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Praia do Farol

Postal Praia do Farol




A Praia do Farol, também designada por Ilha do Farol, situa-se na Ilha da Culatra, no concelho de Faro. O seu nome deve-se ao facto de nela se encontrar o Farol do Cabo de Santa Maria, mais precisamente no seu extremo poente, perto da Barra Nova. A abertura desta barra no 1º quartel do séc. XX, para serviço dos portos de Faro e de Olhão, dividiu a Ilha do Cabo de Santa Maria em 2 partes - Culatra e Barreta.

O Farol começou a ser rodeado por casas em 1851.

Farol do Cabo de Stª. Maria
1851
Inauguração do Farol do Cabo de Stª. Maria.
1922
A torre do farol foi aumentada 12 metros, passando a medir 47 metros de altura.
1949
Electrificação do farol e instalação de um radiofarol.
1995
Consolidação da torre do farol.
1997
Automatização do farol.
2001
Desinstalação do farol aeromarítimo devido a ter deixado de deter interesse para a navegação.

Nesta praia, com quilómetros de areia branca e de dunas, a fauna e a flora são diversificadas.
A Barra Nova, estabilizada por molhes, encontra-se sujeita a correntes muito fortes.
Do Molhe Grande, fronteira entre a Ria Formosa e o Oceano Atlântico, avista-se a Ilha Deserta.
A Praia do Farol é acessível apenas de barco. Existem carreiras regulares para esta praia, através da Ria Formosa, a partir de Faro, do Cais da Porta Nova (Portas do Mar), no Verão e de Olhão, do Cais T, durante todo o ano. Este transporte demora aproximadamente 40 minutos, mas existem também serviços de mar táxi que permitem abreviar esta travessia para menos de metade do tempo. 

Mapa da Praia do Farol e Pontos de Interesse

Mapa da Praia do Farol e Pontos de Interesse - Parte 1

Legenda:
1-Molhe Grande
2-Barra Nova
3-Ria Formosa
4-Oceano Atlântico
5-Farol do Cabo de Stª. Maria
6-ISN-Instituto de Socorros a Náufragos
7-Cais


segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Ponta de Sagres

A denominação Ponta de Sagres tem origem no latim Promontorium Sacrum (Promontório Sagrado). A natureza, o sagrado e o homem conjugaram-se desde sempre neste local, gerando cultos religiosos e mitos históricos, políticos e turísticos.
A Ponta de Sagres configura-se como um gigantesco dedo de pedra apontando para o Oceano. Os caminhos situados à beira das suas abruptas arribas, escavadas por vastas cavernas e furnas, permitem vislumbrar amplos horizontes e variadas perspectivas sobre a costa, destacando-se o Cabo de São Vicente, a Praia do Tonel e a Praia da Mareta.
Integrando o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, a Ponta de Sagres apresenta uma interessante biodiversidade faunística e florística e endemismos únicos.
A origem da Fortaleza de Sagres data do séc. XV, tendo sido submetida a sucessivas reconstruções e reparações nos sécs. XVI, XVII e XVIII. A Fortaleza de Sagres (Monumento Nacional) foi mandada erigir pelo Infante D. Henrique, a fim de apoiar os navegadores e defender a costa. A crescente importância da região como ponto de passagem estratégico para embarcações comerciais que ligavam o Mediterrâneo e o Atlântico Norte, a sua proximidade com o Norte de África e as vantagens que daí poderiam resultar para o projecto expansionista português nesta região, também pesaram na decisão de construir aqui esta fortaleza.
É provável que tenha sido neste local que o Infante D. Henrique fundou a famosa Escola de Navegação.

“Vinha de longe o mar...
Vinha de longe, dos confins do medo...
Mas vinha azul e brando, a murmurar
Aos ouvidos da terra um cósmico segredo.
E a terra ouvia, de perfil agudo,
A confidencial revelação
Que iluminava tudo
Que fora bruma na imaginação.
Era o resto do mundo que faltava
(Porque faltava mundo!).
E o agudo perfil mais se aguçava,
E o mar jurava cada vez mais fundo.
Sagres sagrou então a descoberta
Por descobrir:
As duas margens de certeza incerta
Teriam de se unir!
” (Sagres) - Miguel Torga

Localização da Ponta de Sagres vista de satélite

Rua da Fortaleza
































































Praia da Mareta





A Torre-cisterna, vestígio das antigas edificações, encontra-se actualmente integrada num moderno complexo. Esta intervenção arquitectónica, da autoria do arquitecto portuense João Carreira, data dos anos 90 e incluiu a criação de um Centro de Exposições, um conjunto de lojas para divulgação de produtos culturais e uma cafetaria.
























Praia da Mareta

Ponta da Atalaia









O Rádio Farol de Sagres começou a funcionar a 1 de Abril de 1960, tendo sido demolido o antigo farol. A torre do novo Farol de Sagres tem uma altura de 13 m. Este farol foi electrificado e automatizado em Agosto de 1983, passando a ser monitorizado a partir do Farol de S. Vicente, e deixando de estar guarnecido de faroleiros.




O Monumento A Voz do Mar, da autoria do arquitecto Pancho Guedes, trata-se de um caminho em forma de labirinto à volta de uma cavidade natural existente no terreno do promontório. O som ritmado produzido pelas marés, em conjunto com as paredes que sobem em altura, desenham um percurso acústico até à descoberta do local. Nesta intervenção Pancho Guedes dá a conhecer um lugar onde o mar é sentido debaixo dos pés.




Praia da Mareta














































Cabo de São Vicente































































































Praia do Tonel

Praia do Tonel
















A Igreja de Nossa Senhora da Graça apresenta um portal renascentista, que data do séc. XVI








































O Padrão de Sagres, monumento inaugurado em 1960, quando se celebraram 500 anos sobre a morte de D. Henrique, reproduz os marcos de pedra que os navegadores portugueses deixaram em vários sítios das costas atlânticas que atingiram e exploraram.












Complexo moderno